Compartilhando pesquisas e experiências sobre Fotografia

Por Jenna Wortham

Vivian Maier/Maloof Collection - From Vivian Maier: Self-Portraits (PowerHouse Books, 2013)

Vivian Maier/Maloof Collection – From Vivian Maier: Self-Portraits (PowerHouse Books, 2013)

RECENTEMENTE, me deparei com um grande achado em uma loja de antiguidades de Vermont: uma fotografia em preto-e-branco de um piloto do sexo feminino no topo de uma montanha, seus óculos de aviador acima da testa, revelando um rosto satisfeito, queimado pelo vento, apenas as asas de seu avião visíveis atrás dela. Mas a melhor parte da descoberta foi a lenta percepção de que ela mesma estava segurando a câmera. Foi, por falta de uma palavra melhor, um “selfie”.

Isso me lembrou de outro auto-retrato do tipo, que eu estive acompanhando online, do misterioso Benny Winfield Jr.

Eu não conheço o Sr. Winfield pessoalmente, mas vi o rosto dele quase todos os dias durante os últimos meses, em dezenas de fotografias que ele compartilha no Instagram. Ele chama a si próprio de “líder do movimento selfie” e cada imagem é hipnoticamente a mesma – seu rosto sorridente preenche o quadro, e é geralmente acompanhado por um pequeno texto inspirador.

Os auto-retratos são mundos – e décadas – à parte. Mas eles são estimulados pelo prazer atemporal de nossa habilidade em documentar nossa própria vida e deixar para trás um rastro a ser descoberto.

“Há uma necessidade humana primordial de estar fora de nós mesmos e olhar para nós mesmos”, disse Clive Thompson, escritor e autor do livro “Smarter Than You Think: How Technology Is Changing Our Minds for the Better.”

“Selfie” tornou-se o termo genérico para auto-retratos digitais desencadeados pela explosão de celulares com câmera e serviços de edição e compartilhamento de fotos. Todo grande site de mídia social está transbordando com milhões deles. Todos, desde o papa às filhas do presidente Obama foram flagrados em um. No final de agosto, o dicionário Online Oxford acrescentou o termo ao seu léxico. Uma das propagandas do novo Grand Theft Auto V apresenta uma mulher de biquíni tirando uma foto de si mesma com um iPhone. Em um recente episódio da série “Homeland” do canal Showtime, um dos personagens principais envia um selfie de topless para o namorado. O Snapchat, um serviço de mensagens baseado em fotos, está processando 350 milhões de fotos por dia, enquanto um recente projeto no Kickstarter levantou 90 mil dólares para desenvolver e vender um pequeno obturador Bluetooth para smartphones e tablets para ajudar as pessoas a tirar fotografias de si mesmas mais facilmente.

É a preocupação perfeita para o nosso tempo saturado de Internet, uma plataforma pronta para gravar e postar nossas vidas aonde outros possam vê-las e experimentá-las conosco. E de certa forma, sinaliza uma nova fronteira na evolução das mídias sociais.

“As pessoas estão discutindo a forma como elas aparecem para o resto do mundo”, disse Thompson. “Tirar uma fotografia é uma forma de tentar entender como as outras pessoas vêem você, quem e como você é, e não há nada de errado com isso.”

Às vezes se assemelha tão somente a uma maneira mais performativa de lapidar imagens públicas de quem somos, ou quem gostaríamos de ser. Selfies muitas vezes se afastam para o território do escândalo ou da vergonha – pense em Miley Cyrus ou Geraldo Rivera – e em seu modo mais vulgar, sugere todos os tipos de questões sobre vaidade, narcisismo e a nossa obsessão com a beleza e imagem corporal.

Mas é uma concepção demasiado simplista para interpretar o fenômeno selfie. Estamos rapidamente nos acostumando – e talvez até mesmo começando a preferir – conversas on-line e interações que giram em torno de imagens e fotos. Elas são muitas vezes mais eficazes em transmitir um sentimento ou reação que um texto. Além disso, nos tornamos mais confortáveis ​​vendo nossos rostos na tela, graças a serviços como Snapchat, Skype, Google Hangout e FaceTime, e a sensação emocionante de conexão que vem mesmo com a mais breve conversa em vídeo. Receber uma foto do rosto da pessoa com quem se está falando traz de volta o elemento humano da interação, que é facilmente perdido se ela é principalmente baseada em texto.

“A idéia do selfie é muito mais sobre como o seu rosto é a legenda e você está tentando explicar um momento ou contar uma história”, disse Frédéric della Faille, o fundador e designer do FrontBack, um aplicativo popular de compartilhamento de fotos que permite aos usuários tirar fotos usando tanto a câmera frontal quanto a traseira. “É muito mais sobre um momento e uma história do que sobre uma fotografia.” E na maioria das vezes, ele acrescentou: “Não se trata de ser bonito.”

Em outras palavras, é sobre mostrar aos seus amigos e família sua alegria por estar tendo um bom dia ou iniciar um diálogo ou linha de comunicação usando uma imagem da mesma forma como você pode simplesmente dizer “oi” ou “como vai?”.

E selfies sugerem veementemente que o mundo que observamos através das mídias sociais é mais interessante quando as pessoas inserem a si próprias nele. Um fato que muitos serviços de mídia social como o Vine, uma ferramenta de compartilhamento de vídeos do Twitter, notaram. Dom Hofmann, um dos fundadores do Vine, disse que a primeira versão do aplicativo não deixava que as pessoas gravassem vídeos usando a câmera frontal, em parte por causa de limitações técnicas. Seu co-fundador, Rus Yusupov, era a favor de adicionar o recurso ao serviço, mas Hofmann teve a preocupação de que isto pudesse comprometer a qualidade do conteúdo que as pessoas estavam compartilhando através do serviço.

“Rus sentiu que abriria muitas possibilidades criativas”, disse Hofmann. “Mas eu pensei que seria muita vaidade. Não vejo muito valor nisso.”

Mas, depois de alguma discussão, e repetidas solicitações de usuários, a empresa decidiu lançar o suporte à câmera frontal como uma atualização. Descobriu-se que seu parceiro estava certo. “Os usuários adoraram”, disse Hofmann.

“Realmente não foi sobre vaidade, afinal”, ele disse. “Não é realmente sobre como você se parece. É sobre você fazendo qualquer outra coisa, ou sobre você em outros lugares. É um modo mais pessoal de compartilhar uma experiência.”

O ciclo de feedback que os selfies podem inspirar não faz mal, tampouco. Como uma usuária precoce do Instagram, eu raramente apontava a câmera para mim. Eu preferia compartilhar fotos do pôr do sol, bailes loucos e gatos de bodega do que mostrar um novo corte de cabelo ou roupa. Mas, ao longo do último ano mais ou menos, eu vi que todos os meus colegas começaram a voltar lentamente suas câmeras para dentro de si mesmos. E isto fez meu feed mais interessante e divertido. E eu prefiro ver os rostos dos meus amigos enquanto preparam a comida do que uma foto em close das suas refeições prontas. Nas raras ocasiões em que me sinto ousada o suficiente para postar um retrato frontal, eu vejo picos de comentários e feedbacks, do tipo que raramente imagens de um parque ou de um concerto conseguem atrair.

Na verdade, eu tenho notado que este selfie ocasional parece encorajar alguns amigos que não vejo à algum tempo a entrar em contato via e-mail ou mensagem de texto sugerindo que nos encontremos para uma bebida, como se ver meu rosto na tela os lembrasse que já faz algum tempo desde que o viram na vida real.

Dra. Pamela Rutledge, diretora do Media Psychology Research Center, uma organização sem fins lucrativos, diz que é como o cérebro humano funciona.

“Somos severamente estimulados a responder a rostos”, disse ela. “É inconsciente. Nossos cérebros processam o visual mais rápido, e estamos mais envolvidos quando vemos rostos. Se você está olhando para uma página inteira de fotos, o que você vai notar são os closes e selfies.”

Quanto à afirmação batida de que selfies promovem a vaidade e alguma forma de julgamento, “Há algumas pessoas que criam uma certa quantidade de risco se expondo demais”, disse Rutledge. “Mas isso não é sobre o selfie. Isso é sobre alguém que não está fazendo boas escolhas.”

Ao invés de descartar esta tendência como um efeito colateral da cultura digital ou como uma forma triste de exibicionismo, talvez seja melhor ver o selfie pelo que ele tem de melhor – uma espécie de diário visual, uma forma de assinalar a nossa curta existência e assegurar aos outros uma prova de que estávamos aqui. O resto, é claro, está aberto à interpretação.

Publicado originalmente por Jenna Wortham [via NYT]

 

[Traduzo e compartilho únicamente artigos públicos, citando os devidos créditos e fontes. Se alguém se sentir lesado por ter seu texto traduzido e publicado, favor entrar em contato comigo através do email na guia TEM COLABORADORES e o mesmo será retirado do ar.
I just translate and share articles solely public, citing proper credit and sources. If someone feels wronged by having your text translated and published, please contact me via email on tab TEM COLABORADORES in the top of the blog and it will be removed. GC]
Anúncios

O você acha disso?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: